Início » Médico pode ter sido morto por alertar sobre suposto abuso sexual contra criança, diz irmão

Médico pode ter sido morto por alertar sobre suposto abuso sexual contra criança, diz irmão

Por marlonfm

O médico pediatra Júlio César de Queiroz Teixeira, morto dentro de uma clínica particular, na quinta-feira (23), pode ter sido assassinado após alertar uma família sobre um possível caso de abuso sexual de uma criança atendida por ele, no município de Barra, na Bahia. É o que disse seu irmão, o cirurgião-dentista Lula Teixeira, de 48 anos, ao G1.

“Apareceram muitas conversas aqui que estão investigando para realmente saber o que aconteceu. Teve essa conversa de que a criança chegou molestada e ele falou que tinha que ir para Irecê [cidade no centro-norte da Bahia], que Irecê que tinha o departamento para investigar, ver direito, né? Mas isso tem um tempo, porque ele como médico tem por obrigação ver uma questão dessa e alertar a mãe e o pessoal para procurar a polícia”, disse Lula Teixeira.

Por enquanto, nenhuma linha de investigação foi divulgada pela polícia, que ainda busca os suspeitos pelo crime. No consultório em que o médico atendia, estavam sua esposa, que é enfermeira, outros dois funcionários da clínica e uma criança, acompanhada de sua mãe, que testemunharam o crime.

O suspeito entrou na sala do médico e disparou várias vezes contra ele, e depois fugiu, com a ajuda de outro homem que o aguardava em uma moto do lado de fora da clínica.

Um dos disparos atingiu a cabeça do pediatra, que chegou a ser socorrido por outros funcionários da clínica e levado para um hospital da região, mas acabou não resistindo aos ferimentos. Apenas o médico foi atingido.

Júlio César tinha dois irmãos e deixa, além da esposa, dois filhos, um de 8 anos e outro de 5.

Compartilhe nas redes sociais

Escreva um comentário

error: Content is protected !!