Início » Deputado é preso por suspeita de mandar sequestrar jornalista de Roraima

Deputado é preso por suspeita de mandar sequestrar jornalista de Roraima

Por marlonfm

O deputado Jalser Renier já foi preso outras duas vezes por envolvimento em casos de corrupção em Roraima | Reprodução/Assembleia Legislativa Roraima

O deputado estadual Jalser Renier (Solidariedade) foi preso nesta 6ª feira (1º.out) por suspeita de ter planejado o sequestro do jornalista Romano dos Anjos, em Roraima. O parlamentar era conhecido como “menino de ouro”, e já foi preso outras duas vezes por crimes de corrupção no estado.

Além dele, outros três policiais militares, sendo dois deles coronéis, foram detidos por suspeita de terem agido no crime. Reiner cumpre pena preventiva, e deverá ter a prisão analisada por deputados da Assembleia Legislativa de Roraima, por possuir imunidade parlamentar.

O jornalista Romano dos Anjos foi sequestrado em 26 de outubro do ano passado, e encontrado com lesões nas pernas e com o braço quebrado na manhã do dia seguinte.

Em nota, a defesa do deputado alegou que a decisão é política, e que tenta interferir na opinião pública pela eleição da Assembleia. Veja a íntegra do comunicado:

A defesa do deputado estadual Jalser Renier considera essa uma decisão política que tem como pano de fundo a tentativa de manipulação da opinião pública em plena véspera do julgamento do Supremo Tribunal Federal sobre a legalidade da mesa diretora da Assembleia Legislativa de Roraima. Jalser Renier reitera que segue acreditando na justiça do seu estado e, sobretudo, na do seu país.

Outras acusações

O deputado está na vida política desde a primeira eleição ao cargo, em 1994. À época, ele tinha 22 anos. Nesse período, ele foi preso duas vezes, em 2003 e em 2016, por envolvimento no “Escândalo dos Gafanhotos”, considerado o maior caso de corrupção em Roraima.

Na segunda vez em que foi preso, ele cumpriu regime semiaberto. Mesmo detido, manteve a presidência na Assembleia Legislativa, o que o fez ficar conhecido como “presidente presidiário”. Foi solto em 2017, e novamente investigado por corrupção em 2019.

Compartilhe nas redes sociais

Escreva um comentário

error: Content is protected !!